POLÍTICA EM FOCO

Com Gervásio Lima

Jornalista e Historiador

Lutas e labutas cotidianas

Existia um dia numa cidade não muito longe de outras serventias, uma persona que lutava identicamente como muitos outros ocupantes de diversos outros locais próximos e também mais distantes para manter humanamente a si e as suas proles, de maneira que, harmoniosamente e respeitando espaços e direitos de seus semelhantes, pudesse aparecer mesmo que na informalidade nos anais históricos como um sobrevivente da impiedosa faceta dos incautos que como os abutres chegam a rezar e orar pela putrefação de suas potenciais refeições.

 

Angústias e inquietações se misturam num imbróglio oscilante que perturba e ameaça constantemente os puros e os impuros sentimentos espirituais, morais e até sociais, esses, responsáveis pela capacidade da convivência humana.

 

Promessas ao vento, expectativas desleais, estou deixando meu Cariri no primeiro pau de arara que piedosamente queira me transportar, com destino à felicidade...

 

O incompreensível tem sido compreendido, enquanto o incerto está ficando certo. O 'um' continua insistindo ser por todos e todo mundo não tem ligado para o 'um', talvez por ser apenas 'mais um'.

Triste serão os que acreditam na palavra em detrimento da ação, do real e do verdadeiro. 

Justificativas não substituem mais as explicações. Ou é, ou não é. O tempo não para e os últimos continuarão sendo os últimos. Apenas a reciclagem tem o poder de transformar e remodelar, com características similares sem precisar reinventar. Desistir não é privilégio apenas para os fracos; pode ser uma demonstração dos fortes que conseguiram aprender que nem sempre é para frente que se anda, pois precisamos conhecer o passado para entender o presente e se programar para o futuro.

 

O mundo não se acaba quando as pessoas o enxergam como uma oportunidade de vida. Viver não é ter ou desfrutar por algum tempo de benesses e ostentações por períodos pré estipulados, sejam por motivos naturais, quiçá por oportunidades oferecidas por algo ou alguém que prometeu apenas o fundo, esquecendo que existe mundo.

 

Nada é por acaso. O jogo é para ser jogado, ganha aquele que joga. O telespectador apenas assiste, comemora, rir, sofre e até chora. Ser coadjuvante já é um lucro, faz parte da arte. O ator principal nem sempre é mocinho.

 

O problema não é o mal vencer o bem, mas sim conviver disfarçadamente no meios dos que são do bem. É melhor se decepcionar do que se arrepender. Tudo que é feito com a vontade de acertar inevitavelmente irá prejudicar. É preciso tentar e insistir, sem nunca desistir. Não deu certo, volta tudo de novo. O recomeço quando visto com prazer, mais positivo e com chances de sucesso será.

 

Vida que segue . . .

 

Gervásio Lima.

_______________________________________________________________________________

A TV, os acontecimentos e o resiliente brasileiro

                             

Uma série de acontecimentos negativos ocorridos recentemente tem deixado o brasileiro de cuca quente e ‘baratinada’. Não bastassem as enxurradas de informações e contrainformações de malfeitos éticos e políticos, uma espécie de ‘pingue pongue’ entre acusados e acusadores dos mais diversos crimes, inclusive de muitos até então desconhecidos por grande parte da população, chegam a confundir e dificultar uma interpretação do que realmente está acontecendo no país.

Acompanhar um noticiário na TV brasileira está se tornando algo cada vez mais repulsivo. Momentos que deveriam ser relaxantes e prazerosos estão se transformando em períodos estressantes e angustiantes, ao ponto de provocar incertezas nos sentimentos de orgulho e de pertencimento. Boas histórias, boas práticas, boas atitudes, bons exemplos e tantas outras boas coisas estão em extinção ou não são mais prioridades em boa parte das programações dos telejornais. Roubos, assassinatos, corrupção, abuso de poder, aumento da cesta básica (do valor), alta do dólar, atentado terrorista, reforma da previdência, PEC do Ensino Médio ... as notícias negativas se sobrepõem às positivas. É melhor assistir novela, pelo menos as cenas de crimes, traições, apelações nos relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, são obras de ficção e ‘qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência’.

Não que estejam necessariamente em segundo plano, mas os assuntos policialescos ou entendidos como de maior apelo de audiência, estão perdendo espaço para o noticiário político, ou melhor, para o pitoresco momento pela qual passa a política brasileira. Na TV aberta, única opção da maioria dos telespectadores de um país que a cada dia se parece mais com uma ‘República das Bananas’, a tentativa de manipular as opiniões alheias chega ao cúmulo do ridículo. Alguns tiros estão saindo pela culatra e algumas máscaras estão literalmente caindo, atingindo poderosos meios de comunicação e colocando, fato preocupante, em risco a integridade física e moral de colaboradores. Ao contrário do que se imagina ou imaginavam, a população está atenta a tudo que acontece em sua volta; um aprendizado adquirido na base de uma série de adversidades o que tem tornado-a atemporal.

Para as Ciências Humanas, resiliência é a capacidade de uma pessoa em possuir uma conduta sã num ambiente insano, ou seja, capacidade do indivíduo sobrepor-se e construir-se positivamente frente às adversidades. Pessoas resilientes conseguem superar um trauma sem sofrer consequências negativas. Conforme a psicóloga paulista, Marisa Martins, a peculiaridade do resiliente está no fato de poder escolher como quer perceber, responder às situações adversas e se tornar permeável ao processo de mudanças. Ou seja, ‘dar a volta por cima’.

Talvez seja por conta desta resiliência adquirida que o povo brasileiro tem demonstrado sensatez e, dentro das proporções, assistindo os acontecimentos e aguardando seus desdobramentos sem manifestações generalizadas.

... Porque foi tão fácil conseguir

E agora eu me pergunto, e daí?"

Eu tenho uma porção

De coisas grandes pra conquistar

E eu não posso ficar aí parado...

(...)

Eu é que não me sento

No trono de um apartamento

Com a boca escancarada

Cheia de dentes

Esperando a morte chegar ...”

_______________________________________________________________________________________________________________________

 

Vítimas ou vezeiros?

Todos são iguais até que provem o contrário

Os novos prefeitos eleitos no início de outubro deste ano e que tomarão posse a partir do dia 1º de janeiro, irão se deparar com uma série de problemas, principalmente financeiro. Não bastasse a queda dos repasses estaduais e federal, muitos gestores serão verdadeiras vítimas dos que estão saindo por ter perdido as eleições ou por ter atingindo o máximo de dois mandatos seguidos permitidos, pois encontrarão prefeituras literalmente sucateadas nos mais diversos aspectos, com grandes rombos nas contas públicas.

Por conta das irresponsabilidades das más gestões e da situação atual em que se encontra o país, com o arrocho financeiro e com mudanças das políticas econômicas do governo federal, não são boas as perspectivas para os primeiros anos de mandatos dos novos timoneiros municipais.

Atualmente na Bahia, cerca de 300 municípios têm como fonte de receita o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que representa mais de 70% de todo o orçamento financeiro das prefeituras. Muitas cidades baianas não têm receita própria significativa (tributária, taxas e contribuições), por tanto o FPM tem sido a principal receita orçamentária e equalizadora das rendas, até porque seus critérios de distribuição são, principalmente, proporcionais à população, sendo de fundamental importância para os pequenos municípios, dada suas fragilidades como estrutura econômica e social.

O rombo dos orçamentos púbicos, agravado por conta da instabilidade política e econômica provocados pela decisão do Congresso Nacional em derrubar a presidente da República eleita pelo voto popular, chegou ao elo mais fraco: as prefeituras. As cidades que souberam conviver com a crise, controlando as finanças, e que tiveram o mínimo de responsabilidade com o erário público, aplicando corretamente os recursos oriundos das arrecadações municipais e dos repasses estaduais e federais estarão, mesmo com o arrocho previsível, em uma situação mais confortável que as demais; isso quando os gestores confiados por um mandato de quatro anos, estendidos por igual período para os que optam pela reeleição, tratam os serviços e o dinheiro público com lisura.

É inconcebível e de extrema irresponsabilidade tratar a máquina pública (no caso dos municípios, as prefeituras), como extensão de negócios privados, onde o principal objetivo é o de angariar vantagens financeiras para deleite próprio e de asseclas, ao se locupletar do erário. Quando se trata da relação eleitor x eleito, a traição eleitoral é um dos crimes mais repugnantes, imperdoáveis e deletérios que existem. Para os que chegam ao poder na base do ‘toma lá dá cá’, a primeira (ou as primeiras) ação é providenciar meios para ‘tirar o prejuízo’ e depois ‘administrar’ para não faltar. Tais criminosos, endossados por corruptores travestidos de cidadãos, acreditam que estão fazendo o correto, justificando seus erros por outros erros. Infelizmente, a confiança do bom eleitor se mistura com o proveito dos maus.

Enquanto isso, na Sala de Justiça ...

 

Quem vai salvar o mundo de você?

Quem vai salvar você do mundo?

Quem Vai Salvar Você do Mundo? - Sérgio Britto (Titãs)

_______________________________________________________________________________

 

Amanhã pode acontecer tudo, inclusive nada

Quanto tempo de sonho perdido, quanto tempo esquecido, é melhor nem lembrar. Eu pensei que entendia de tudo, que sabia de tudo, mas vivia no ar. Mas agora eu sei o que aconteceu, quem sabe menos das coisas sabe muito mais que eu. A música “Agora eu sei”, sucesso na voz de Roberto Carlos, de 1972, é mais que atual e verdadeira. A pesar da idade, 44 anos, desde o seu lançamento para o público, tornou se um símbolo real e reflexivo para aqueles que se auto-intitulam o dono da verdade absoluta, ou sendo um sofômano, que tem mania de querer passar por sábio e que tomam por verdade suas idéias.

O filósofo grego, Sócrates, disse: “Só sei que nada sei”, ao perceber que a sabedoria inicia pelo reconhecimento da própria ignorância. Para ele, o princípio da sabedoria é a atitude em que se assume a tarefa verdadeiramente filosófica de superar o enganoso saber baseado em ideias pré-concebidas. Segundo Sócrates, "sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância", ou seja, o homem sábio é aquele que admite, apesar de todo o seu conhecimento, que ainda é um ignorante, porque o caminho para a sabedoria é interminável.

Oxe, mas o que isso tem a ver com nós, vós e eles? Na verdade só interessa para eu, tu e ele. Danou-se, disse tudo e não disse nada.

“Os sabem tudo” são elementos perigosos que na verdade não sabem nada, mas com seus poderes de persuasão e enganação conseguem fazer com que muitos incautos caiam em suas lábias. Como exemplos bem próximos são os maus políticos, que na ânsia de se chegar ou permanecer no poder, em seus discursos se transformam em médicos, engenheiros, economistas, advogados, filósofos e em outros mais diversos e inimagináveis profissionais. Sabem como construir pontes e viadutos, como combater endemias, como gastar e controlar finanças e até mesmo como se livrar da justiça, no caso dos que mesmo sabendo que são ímprobos, tendo inclusive sido condenados, insistem, ancorados nas brechas da lei, em continuar disputando eleições para se locupletarem do erário e desviar recursos. Como diz o nordestino, “depois de eleito, só quer ser o cão comendo mariola!”.

Nada como um dia após o outro. Para agir com a cabeça fria, é preciso saber esperar, pois as consequências dos atos, boas ou ruins, chegarão um dia de qualquer jeito. Em muitas cidades a população foi à forra e tirou os gestores reprovados, mas de contrapartida elegeram pela primeira vez ou fizeram retornar para o cargo aqueles que haviam perdido na prova final, mesmo tendo passado pela recuperação. Uma pena existir ainda os que trocam o voto por um pacote de fumo Maratá.

Mas, como disse o filósofo chinês, Lao-Tsé, “a política dos governantes sábios consiste em esvaziar a mente dos homens e encher-lhes o estômago. Um povo que sabe demais é difícil de governar. Aqueles que julgam promover o bem estar de uma nação, espalhando nela a instrução, enganam-se e arruínam a nação. Manter o povo na ignorância: eis o caminha da salvação”.

Se avexe não
Amanhã pode acontecer tudo
Inclusive nada
Se avexe não
A lagarta rasteja até o dia
Em que cria asas
Se avexe não
Que a burrinha da felicidade
Nunca se atrasa
Se avexe não
Amanhã ela pára na porta
Da sua casa

A natureza das coisas – Flávio José

_____________________________________________________________________________

Cabeça de eleitor e bunda de neném ...

Por mais que se pense que se conhece o eleitor, menos conhecimento existe. Uma velha expressão popular diz que ‘da cabeça de juiz (afirmando que os julgamentos são imparciais e que os resultados das sentenças são exclusivos do livre convencimento judicial) e bunda de neném ninguém pode antecipar o que virá’. O eleitor pode perfeitamente ser encaixado em uma dessas sequências, ao contrário, irá valorizar ainda mais esta máxima bastante utilizada quando não se conhece ou não tem certeza de algo.

 

Para muitos políticos e uma cambada de apoiadores de diversas cidades brasileiras os resultados nas urnas não condisseram com o que eles, até alguns minutos antes das apurações, estavam convictos que fosse acontecer, suas vitórias eleitorais. O inesperado se transforma em surpresa, misturada com decepção, desilusão e sentimento de traição. Um verdadeiro banho de água fria para os que tinham certeza de que seriam eleitos, seja pelo bom trabalho enquanto gestores ou legisladores para os que tentavam a reeleição, seja pela farta quantia gasta e até mesmo distribuída de maneira ilícita ou pelo comportamento das equipes de ‘marqueteiros’ do candidato. Ledo engano.

 

O que se viu na eleição para prefeito e vereador que aconteceu em todo o Brasil, no último dia 2 de outubro, foi uma demonstração de que o eleitorado absorveu a opinião midiática em detrimento da sua verdadeira realidade. O bom e o mau político foram jogados na mesma vala. Em alguns momentos prevaleceu a sensatez, mas na grande maioria dos resultados se decidiu mudar apenas por mudar, trocando em muitos casos seis por meia dúzia.

 

Candidatos com pendências judiciais, acusados por improbidade administrativa por desvio ou mau uso de recursos públicos e até mesmo postulantes condenados à prisão por corriqueiras práticas criminosas na vida política, inexplicavelmente (o eleitor explica), conseguiram registrar suas candidaturas e venceram seus concorrentes na eleição. Casos que desafiam a lógica e a própria Justiça. O ele rouba, mas faz, pasmem, está incrustado ainda na alma dos eleitores. “Para quem tem plena consciência do voto, é deveras indigesto votar num conhecido pilhador do dinheiro público. Mas os eleitores fazem isso pensando nos benefícios que já conquistaram ou no que poderão alcançar em razão da competência do corrupto”, diz o jurista e professor de direito, Luiz Flávio Gomes.

 

A velha política e os velhos políticos, travestidos de novos e de ‘mais experientes’ retornam para concluir o que ‘não deu tempo’ ou não conseguiram realizar enquanto tiveram suas oportunidades quando foram confiados seus mandatos pelo voto popular. Em outros casos, os chamados ‘laranjas’, ou ‘candidatos de aluguel’, bancados financeiramente por um ‘cacique’ serão timoneiros de direito, mas não de fato, e o pior, colocando em prática ou reforçando o fisiologismo.

 

“Mesmo com tantos motivos
pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar,
agora tanto faz
estamos indo de volta pra casa...”
Por Enquanto – Cássia Eller

Parceiros

Jornal Classe A LTDA ME
Av. Tancredo Neves, 1016 - Aroldo da Cruz 
    CEP: 47850-000 / Luís Eduardo Magalhães-BA
 jornalclassea@yahoo.com.br
77 3639-0108 

© 2016 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com