Família desenterra mulher após desconfiar que ela foi enterrada viva em Riachão das Neves, Extremo Oeste Baiano

February 10, 2018

 

Uma família de Riachão das Neves alega que uma ente-querida foi enterrada viva há 12 dias atrás. A família acredita que ela não estava morta, mas sim, em um estágio de catalepsia. 

 

A mulher estava internada no Hospital do Oeste com problemas respiratórios, e foi constatado o óbito que foi emitido pelo hospital onde a mesma estava internada.

 

Segundo informações, a família acredita que a mulher filha de Dona "Begue" estava viva dentro do caixão, uma mulher que mora vizinha ao cemitério ouviu gritos de socorro. Ainda segundo informações a mãe da vítima sonhava que a filha estava viva.

 

 

Nesta sexta-feira (09), familiares e moradores foram até o cemitério e abriram a gaveta da sepultura da vítima, ao abrir o caixão o corpo estava de bruços e o nariz e os ouvidos estavam sem os algodões, e a mulher estava com as mãos arranhadas.

 

Por conta disso provavelmente a Justiça solicitará um novo exame de necropsia pelo Instituto de Medicina Legal (IML).

 

Catalepsia:

É um distúrbio que impede o doente de se movimentar, apesar de continuarem funcionando os sentidos e as funções vitais (só um pouco desaceleradas). 

 

O ataque cataléptico pode durar de minutos a alguns dias e o que mais aflige quem sofre da doença é ver e ouvir tudo o que acontece em volta, sem poder reagir fisicamente. As causas, porém, ainda são um mistério, apesar de não faltarem hipóteses e especulações.

 

Poucas coisas causam tanto terror quanto a possibilidade de ser enterrado vivo.

 

Embora os avanços médicos tornem cada vez mais raros os casos de catalepsia, em que a vítima é tida como morta e enterrada, há evidências de alguns acontecimentos reais.

 

Veja abaixo alguns deles:

Niurka Berenice Guzman Reyes: em 2011, a dançarina dominicana foi encontrada sem vida no seu quarto. Os médicos declararam que ela tinha morrido de um infarto no miocárdio, e a jovem de 23 anos foi enterrada. Dias depois, uma de suas melhores amigas teve o forte pressentimento de que Niurka estava viva e, com toda a papelada necessária, sua mãe conseguiu abrir o caixão. A perícia confirmou que a jovem de fato estava morta, mas que havia falecido de asfixia dentro do caixão.

 

Octavia Smith Hatcher: uma estranha doença assolou o condado de Pikeville, nos EUA, em 1891. As vítimas caíram em um coma profundo que, depois, ficou sabido que era transmitido pela mosca tsé-tsé. Octavia foi a primeira a ser afetada pelo estranho quadro clínico e os médicos da cidade a declararam morta. Quando seu marido pediu que exumassem seu caixão, ele se deparou com uma cena arrepiante. As mãos da mulher estavam dilaceradas por ter arranhado o caixão, tentando sair e em seu rosto era possível observar uma perturbadora expressão de horror.

 

Rufina Cambaceres: a jovem argentina foi encontrada morta em seu quarto na manhã em que completava 19 anos. Os relatos da época falam que na noite seguinte ao seu enterro, o coveiro do cemitério ouviu ruídos provenientes de sua lápide. Ao chegar ao local, encontrou a menina no chão, com o rosto coberto de sangue. Aparentemente, Rufina despertou de sua catatonia dentro do caixão e, embora tenha conseguido escapar, morreu de um infarto minutos depois, supostamente, muito assustada. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Parceiros

Jornal Classe A LTDA ME
Av. Tancredo Neves, 1016 - Aroldo da Cruz 
    CEP: 47850-000 / Luís Eduardo Magalhães-BA
 jornalclassea@yahoo.com.br
77 3639-0108 

© 2016 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com