• R7 Notícias

Atiradores se mataram quando viram a PM, diz secretário


Segundo o comandante da Polícia Militar, atiradores utilizaram revólver calibre 38, arco e flecha, além de machadinha comum para cometer o crime


Em pronunciamento oficial, nesta quarta-feira (13), o secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos, disse que os dois atiradores que invadiram a escola estadual Professor Raul Brasil e atiraram contra dezenas de pessoas cometeram suicídio quando viram policiais militares no local.


"Quando se deparam com a Força Tática, com o sargento Camargo, cabo Airana e cabo Diniz, eles [atiradores] estavam prestes a entrar em uma sala com dezenas de alunos. Se depararam com escudo, e cometeram o suicídio. Não está identificado se um atirou", disse o secretário.


O Governo de São Paulo aponta que 10 pessoas morreram — entre eles, os dois atiradores. Outras nove pessoas foram feridas e estão hospitalizadas.


De acordo com o Campos, a sequência dos fatos e como o crime ocorreu serão montados pela Polícia Civil. Ainda de acordo com o secretário, os dois foram alunos da escola e acredita que teve acesso porque um dos atiradores, identificado como Guilherme Taucci Monteiro, de 19 anos, estudou lá até o ano passado e era conhecido de funcionários.


Ainda segundo o secretário, o acesso com facilidade aconteceu "provavelmente por causa do conhecimento [de Guilherme com] a coordenadora pedagógica, que foi a primeira atingida".


O secretário Campos afirma que, antes de ir para escola, os atiradores já tinham atirado em uma locadora, contra o funcionário, que é tio de um dos jovens. O funcionário foi socorrido, mas não resistiu e morreu no hospital. Entre as vítimas também estão duas funcionárias da escola.


O comandante da Polícia Militar, coronel Marcelo Vieira Salles, o portão da escola estava aberto, e os atiradores foram recebidos pela coordenadora. Quando chegaram, os jovens não estavam mascarados. "Atiraram na coordenadora e depois nos alunos".


Coronel Salles afirma que foram usados no crime um revólver calibre 38, arco e flecha, além de machadinho comum. Conforme o comandante, só um atirou com a arma de fogo, que está com numeração raspada. "Vamos analisar câmeras, perícia técnica, foi feita a reconstituição com funcionários. A ação levou mais ou menos 10 minutos".


Jornal Classe A LTDA ME
Av. Tancredo Neves, 1016 - Aroldo da Cruz 
    CEP: 47850-000 / Luís Eduardo Magalhães-BA
 jornalclassea@yahoo.com.br
77 3639-0108 

© 2016 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com