• Agencia do Rádio

Programa de Vendas em Balcão deve liberar mais de 100 mil toneladas de milho para pequenos produtore


Pedido de liberação do grão foi feito pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) junto à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)


Apenas uma publicação no Diário Oficial. É o que falta para que as vendas de milho no Programa de Vendas em Balcão (ProVB) sejam retomadas. É o que afirma a Confederação Brasileira de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que fez a solicitação da retomada do programa para a Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab.


O Programa de Vendas em Balcão (ProVB) pretende viabilizar o acesso de criadores rurais de pequeno porte e micro agroindústrias aos estoques de produtos agrícolas por meio de vendas diretas, a preços compatíveis com os praticados em pregões públicos e mercados atacadistas locais. Esse modelo de venda foi utilizado este ano para sanar o desabastecimento durante a greve dos caminhoneiros, em maio.


Na época, a Conab criticou o uso do programa para beneficiar grandes empresas que estavam sem rações para a produção de frangos e porcos, fugindo a regra inicial que era de atender a pequenos e médios produtores. Por conta da demanda, a Companhia Nacional de Abastecimento já está perto do volume máximo de venda estabelecido pelo Governo Federal, que é de aproximadamente duzentas mil toneladas.


Para facilitar essa situação, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil entrou com um pedido de liberação de mais uma parte do estoque para que o milho seja comercializado por pequenos produtores.


De acordo com o coordenador de assuntos estratégicos da CNA, Joaci Medeiros, a entidade aguarda apenas a oficialização para que 100 mil toneladas de milho sejam liberadas e detalha de que forma o programa auxilia o pequeno produtor.


“Esse programa é fundamental, como eu falei, para a manutenção dos rebanhos. Eles precisam acessar o milho para fazer a alimentação do rebanho dele, e fará isso no mercado local e não na Conab. Isso gera um custo adicional a ele. Nós sabemos que as margens de lucro estão cada vez mais curtas, o custo de produção cada vez mais alto, e isso impacta diretamente no custo dele.”


Em nota, a Conab destacou que não está medindo esforços para atender a todos os clientes, seja na disponibilização do milho para ração como o atendimento a clientes em todo o país. A companhia ressalta que o pedido de um reforço de mais 100 mil toneladas do produto já foi feito ao Conselho Interministerial de Estoques Públicos de Alimentos. Além da greve dos caminhoneiros, a Conab ressalta que o tabelamento dos fretes dificultou a remoção do milho em algumas regiões, o que atrasou o reposicionamento do estoque.


Posts recentes

Ver tudo
Jornal Classe A LTDA ME
Av. Tancredo Neves, 1016 - Aroldo da Cruz 
    CEP: 47850-000 / Luís Eduardo Magalhães-BA
 jornalclassea@yahoo.com.br
77 3639-0108 

© 2016 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com